MAÇOM NÚMERO 1 DO BRASIL

segunda-feira, 25 de junho de 2012

MAÇOM NÚMERO 1 DO BRASIL


Como Grão Mestre do Grande Oriente do Estado de Goiás, reeleito em chapa única, para mandato que se estende ao mês de junho de 2015, vivi momento histórico em Brasília, entre os dias 14 e 17 de junho. Comemorou-se 190 anos de fundação do Grande Oriente do Brasil, criado em 17 de junho de 1822, por três Lojas Maçônicas do Rio de Janeiro, Comércio e Artes n° 01, da qual sou honrado em fazer parte como membro honorário, União e Tranquilidade n° 02 e Esperança de Niterói n° 03. A sessão dos 190 anos reviveu os acontecimentos históricos daquela data. Foi presidida por Abramo Antônio Scarlato, Ricardo Fernandes dos Santos e Ivan Salles Ferreira, atuais veneráveis das Lojas que se reuniram naquela época, criando a instituição com jurisdição nacional incumbida de levar a cabo o processo de emancipação política do país, denominada Grande Oriente do Brasil e que teve como primeiros mandatários José Bonifácio de Andrade e Silva e Joaquim Gonçalves Ledo. Através de cidadãos de definido espírito público, situados em importantes atividades, sobretudo como formadores de opinião nas classes liberais, jornalismo, forças armadas, especialmente, o exército, o Grande Oriente do Brasil teve participação marcante em diversas campanhas sociais e cívicas. Independência do Brasil, extinção da escravatura negra, movimento republicano, continuando como ponta de lança da Maçonaria Brasileira em diversas questões nacionais, como anistia para presos políticos durante períodos de exceção, luta pela redemocratização do país e luta pela anistia geral recente em nossa história.

Hoje, tem bandeiras definidas com forte presença no combate ao uso de drogas, a corrupção, intenso movimento pelo projeto Ficha Limpa, defesa da Amazônia, envolvimento com a reforma política. Cuida do fortalecimento familiar através das Fraternidades Femininas, Ação Paramaçônica Juvenil, Ordem DeMolay e Filhas de Jó, com presenças das mulheres e jovens. Funcionou de 1822 a 1960 no centro histórico do Rio de Janeiro, Palácio do Lavradio, instalando-se em Brasília em 1978, quando Grão Mestre Geral, o goiano Osiris Teixeira. Outro goiano teve destaque na maçonaria brasileira. Jair Assis Ribeiro, considerado o mais ilustre maçom dos últimos tempos. Consumou sua alta representatividade do Grande Oriente do Brasil, com a construção de um palácio, durante dois mandatos, sede que passou, após sua morte ocorrida em agosto de 2008, a ter a denominação de “Palácio Jair Assis Ribeiro”. Hoje é composto por mais de 3.500 Lojas e mais de 100 mil obreiros ativos, reconhecido por centenas de obediências regulares do mundo. O Grande Oriente do Brasil é a mais antiga potência brasileira, que é uma associação de Lojas Maçônicas, também chamada de obediência maçônica, sendo a maior da América Latina.


Dos vários momentos importantes acontecidos nas comemorações dos 190 anos, ressalto a feliz e sábia iniciativa do Grão Mestre Geral Marcos José da Silva, pela ideia concretizada em homenagear os maçons com maior tempo de atividade em cada estado brasileiro. Foi um momento emocionante, com energia muito forte e aplausos intensos a cada um chamado pelo cerimonial para receber a medalha dos 190 anos e seu diploma histórico. Goiás teve destaque nacional por ter no quadro geral do Grande Oriente do Brasil, o maçom de mais longa atividade. Walter Pereira de Castro, iniciado em 1° de fevereiro de 1939, na Loja Estrella Rioverdense. Após 1966, filiado na Loja Liberdade e União, a mais antiga de Goiânia, desde 1934, hoje, dirigida pelo Venerável Manoel da Costa Lima. Walter Pereira de Castro, nasceu em 13 janeiro de 1921, em Alto Araguaia, Mato Grosso, mas foi registrado em Rio Verde. Casou-se em 1947 com Maria Ferreira de Castro, com quem vive até hoje. Dessa união nasceram Walma, Vânia, Valter e Vilma, 11 netos e 3 binetos. Seu pai Olinto Pereira de Castro, foi um dos 12 fundadores e o primeiro Venerável da Loja Estrella Rioverdense, também em 1947 fundou a Loja Verdadeira Luz, da Grande Loja Maçônica em Rio Verde.

Walter Pereira de Castro por orientação e sugestão do seu progenitor iniciou sua caminhada maçônica ainda muito jovem, com 18 anos. Seu pai foi coroinha do padre Mariano, figura histórica e muito conhecida em Rio Verde. Trabalhou como sapateiro, cresceu na profissão e tornou-se industrial do ramo naquela cidade, sendo coluna representativa da família Castro. É primo em 4° grau do maçom, historiador e pesquisador Filadelfo Borges de Lima. Em 1946, formou-se na Faculdade de Medicina da Praia Vermelha, Rio de Janeiro. Exerceu sua profissão em Rio Verde, no Hospital Santa Terezinha, transferindo-se para Goiânia na década de 50, atuando nos Hospitais São José e Santa Maria. Deste último, foi sócio transferindo sua cota para o sobrinho, médico Aristóteles de Castro Barros, que junto com esposa e filhos continuam a atividade. É tio de Samir de Castro Hatem, goiano de Rio Verde, radicado em Roraima, onde foi Grão Mestre Estadual, por dois mandatos.

Na impossibilidade de estar presente no dia 16 de junho em Brasília, o Grão Mestre Geral Marcos José da Silva, se deslocará para Goiânia em sessão da Loja Liberdade e União, no dia 3 de julho. Fará a entrega solene da peça “Maçom Número 1 do Brasil”, escultura em mármore, produzida pelo artista e maçom Gilson Barros de Carvalho, da cidade de Campinas, São Paulo, intitulada “O Eterno Aprendiz”. Escultura que simboliza a luta permanente de um ser humano que deve entender que é apenas um eterno aprendiz, na prática constante do desbastar da pedra bruta em seu coração. Sintetizo na beleza da música de Gonzaguinha, “Eterno Aprendiz”, o significado do termo, nesta estrofe: “Viver! E não ter a vergonha se ser feliz, cantar e cantar e cantar a beleza de ser um eterno aprendiz.” A você Walter Pereira de Castro, a homenagem da maçonaria goiana e brasileira. Você é realmente um eterno aprendiz.


Barbosa Nunes, advogado, ex-radialista, delegado de polícia aposentado, professor e Grão-Mestre da Maçonaria Grande Oriente do Estado de Goiás


Você gosto?

.

.