Dezembro 2012

sábado, 29 de dezembro de 2012

"QUANDO SE VÊ, JÁ TERMINOU O ANO..." | Artigo do Grão-Mestre Barbosa Nunes


Estamos no tempo de encerrar 2012, na expectativa do início de 2013. Pensamentos invadem o meu interior. Fico sensível e passo a refletir sobre o mistério do tempo. Saudades de muitos tempos.  Santo Agostinho afirmou: “Se ninguém me perguntar sobre o tempo, eu sei; mas, se alguém me puser a questão e eu quiser responder, já não sei”.

Pensamos que o tempo é fracionado. Tudo vai, tudo volta. Natal, Ano Novo. Ano velho se despedindo. Primavera, verão, outono, inverno e outra vez, tudo volta. O tempo é contínuo. Não fica restrito a momentos que nos dão a ideia de que parou, que muda de um dia, de um mês ou de um ano para outro. Rawy Shaaban aborda a questão da medição da passagem do tempo, feita com base na movimentação da Terra ao redor do Sol.

“Manhã, tarde e noite, estão relacionadas a presença ou ausência do Sol no céu, sugerindo que nossa percepção do tempo, como passado, presente e futuro, pode ser apenas uma ilusão criada por nossa mente em uma tentativa de entender o mundo em transformação que nos cerca”.  Então o tempo de cada um de nós é marcado por nós mesmos, pelas nossas vidas, pelo nosso caminhar, pelo preparo para percorrer o tempo. Por acontecimentos alegres e tristes.
 
Peço ao Grande Arquiteto do Universo que o tempo deste artigo, entre Natal e Ano Novo de 2012, possibilite reflexão a milhões de seres humanos, mesmo vivendo em um tempo de violência e desajuste. Que seus corações se abram e se retemperem para enfrentarem um novo ano que se aproxima com sonhos e metas a se concretizarem e fé no Criador. Que Ele nos conduza pelo nosso tempo de 2013.

Energizado e sensibilizado, amparo-me e envio a você que me distingue com sua qualificada leitura neste espaço, Opinião Pública, único da imprensa brasileira, disponibilizado à comunidade, luzes de Chico Xavier, neste texto que é uma prece.

“Que Deus não permita que eu perca o romantismo, mesmo eu sabendo que as rosas não falam. Que eu não perca o otimismo, mesmo sabendo que o futuro que nos espera não é assim tão alegre.  Que eu não perca a vontade de viver, mesmo sabendo que a vida é, em muitos momentos, dolorosa... Que eu não perca a vontade de ter grandes amigos, mesmo sabendo que, com as voltas do mundo, eles acabam indo embora de nossas vidas... Que eu não perca a vontade de ajudar as pessoas, mesmo sabendo que muitas delas são incapazes de ver, reconhecer e retribuir esta ajuda.

Que eu não perca o equilíbrio, mesmo sabendo que inúmeras forças querem que eu caia. Que eu não perca a vontade de amar, mesmo sabendo que a pessoa que eu mais amo, pode não sentir o mesmo sentimento por mim... Que eu não perca a luz e o brilho no olhar, mesmo sabendo que muitas coisas que verei no mundo, escurecerão meus olhos... Que eu não perca a garra, mesmo sabendo que a derrota e a perda são dois adversários extremamente perigosos.

Que eu não perca a razão, mesmo sabendo que as tentações da vida são inúmeras e deliciosas. Que eu não perca o sentimento de justiça, mesmo sabendo que o prejudicado possa ser eu. Que eu não perca o meu forte abraço, mesmo sabendo que um dia meus braços estarão fracos... Que eu não perca a beleza e a alegria de ver, mesmo sabendo que muitas lágrimas brotarão dos meus olhos e escorrerão por minha alma...  Que eu não perca o amor por minha família, mesmo sabendo que ela muitas vezes me exigiria esforços incríveis para manter a sua harmonia. Que eu não perca a vontade de doar este enorme amor que existe em meu coração, mesmo sabendo que muitas vezes ele será submetido e até rejeitado. Que eu não perca a vontade de ser grande, mesmo sabendo que o mundo é pequeno... E acima de tudo...

Que eu jamais me esqueça que Deus me ama infinitamente, que um pequeno grão de alegria e esperança dentro de cada um é capaz de mudar e transformar qualquer coisa, pois a vida é construída nos sonhos e concretizada no amor”.

Mário Quintana, poeta e jornalista gaúcho, também falou sobre o tempo com alma e sentimento:

“Quando se vê, já são seis horas! Quando se vê, já é sexta-fera! Quando se vê, já é Natal... Quando se vê, já terminou o ano... Quando se vê, passaram 50 anos! Não deixe de fazer algo de que gosta devido a falta de tempo. Não deixe de ter pessoas ao seu lado por puro medo de ser feliz. Se me fosse dado um dia, outra oportunidade, eu nem olhava o relógio. Seguiria sempre em frente e iria jogando pelo caminho a casca dourada e inútil das horas... Seguraria o amor que está a minha frente e diria que eu o amo. A única falta que terá, será a desse tempo que, infelizmente, nunca mais voltará”.

Minha mensagem final. O tempo não para, não espera por nossas decisões e escolhas. É preciso viver com certeza e verdade cada dia, como se fosse o último. Que 2013 aconteça com saúde e paz para todos.


segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

GOVERNADOR RECEBE MAÇONS DO GRANDE ORIENTE E GRANDE LOJA



Na noite de terça feira, dia 11 de dezembro, o Governador do Estado de Goiás, Marconi Perillo, convidou e recebeu mais de 100 maçons da Grande Loja Maçônica e do Grande Oriente do Estado de Goiás, para um jantar de confraternização de fim de ano, realizado no Salão D. Gercina Borges Teixeira, do Palácio das Esmeraldas.



Pela Grande Loja, usou da palavra o Sereníssimo Irmão Ruy Rocha e pelo Grande Oriente o Eminente Irmão Barbosa Nunes e por último o Governador do Estado de Goiás, que fez um amplo e detalhado retrato, embora com muita objetividade, do trabalho realizado em sua administração, especialmente com referência à asfaltamento e recuperação de estradas.




Pelo Grande Oriente do Estado de Goiás estiveram presentes o Grão-Mestre Estadual e Adjunto, Barbosa Nunes e Luis Carlos de Castro Coelho, Presidente da Assembleia Estadual Lázaro Naves, Presidente do Tribunal Eleitoral Ovídio Inácio Ferreira Filho, Presidente do Tribunal de Contas Sauro José Mariano, Juiz Luis Gustavo Nicoli, representando o Tribunal de Justiça, Procurador Estadual Gélcio José, Veneráveis Mestres, Deputados Estaduais e outros Irmãos.

O registro fotográfico foi do Irmão Abel Tolentino de Oliveira Júnior, Secretário Estadual de Comunicação e Informática.


Comandante da Polícia Militar recebe Irmãos da Grande Loja Maçônica do Estado de Goiás para audiência sobre segurança




A comitiva, formada pelos Irmãos Fernando José de Melo, Venerável Mestre da ARLS União Cidade dos Palmares nº 115 (Oriente de Morrinhos), Delegado Maçônico Reinaldo dos Reis de Oliveira e Irmãos Apolinário Soares de Brito e Vivaldo de Souza Machado, foi recebebida pelo Comandante da Polícia Militar - e Irmão - Edson Costa de Araújo no dia 11 de dezembro.



Na oportunidade o Irmão Símaro Suail Jordão representava a Grande Loja Maçônica do Estado de Goiás. O objetivo da visita foi solicitar do comando da PM uma maior atenção com a Segurança no Município de Morrinhos. O Comandante se prontificou a eleborar um planejamento estratégico garantindo mais reforço na segurança naquele Município.


domingo, 16 de dezembro de 2012

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

MAÇONARIA GOIANA FAZ CAMPANHA POR MARCOS E BARBOSA



O Grão-Mestre Barbosa Nunes, em segundo mandato, no último eleito em chapa única, tem ficado imensamente agradecido aos Irmãos de Goiás que vão formando uma onda positiva, vibrante e de apoio em todas as Lojas, dando a certeza de que a Chapa MARCOS E BARBOSA, receberá em Goiás sem dúvida nenhuma, um altíssimo percentual de votação.



Na foto, Veneráveis Mestres e seus representantes das 21 Lojas que funcionam no Palácio Nasseri Gabriel, manifestam alegria, apoio e empenho.


sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

GRÃO-MESTRE MÁRIO SÉRGIO NUNES DA COSTA DO GRANDE ORIENTE DE SÃO PAULO APOIA MARCOS E BARBOSA


Quando da inauguração do Centro Cultural do Grande Oriente do Brasil, realizada no dia 1º de dezembro, sábado, solenidade presidida pelo Soberano Marcos José da Silva, no auditório completamente tomado por mais de 400 pessoas, maçons, cunhadas, sobrinhos e convidados o Eminente Grão-Mestre do GOSP – Grande Oriente de São Paulo, pediu a palavra, leu um documento de apoio à CHAPA MARCOS E BARBOSA e o entregou ao Soberano, sob aplausos intensos.




Através desta, externo aos Irmãos MARCOS JOSÉ DA SILVA e EURÍPEDES BARBOSA NUNES, meu apoio a vossas candidaturas ao GRÃO MESTRADO GERAL e ADJUNTO para o período de 2013 até 2018. 



Faço esta manifestação alicerçada na minha consciência de homem maçom, lastreado no sentimento fraternal que sempre norteou nosso relacionamento, dentro e fora de Loja. Sabemos nós as contrariedades que sofro em meu Estado, por conta destas manifestações, porém não é nenhuma novidade para aqueles IIIR... que convivem próximos a mim no GOSP, desta forma torno público meu apoio à chapa GOB COM VOCÊ.

São Paulo, 29 de novembro de 2012.


Mário Sérgio Nunes da Costa




quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Oscar Niemeyer, o "cidadão ilustre" do Mercosul e arquiteto do Brasil moderno, morreu aos 140 anos de idade


O arquiteto morreu na quarta-feira (5) à noite aos 104. O corpo vai ser sepultado na sexta-feira (7), no Rio de Janeiro.  Até os últimos momentos ele permaneceu lúcido, só perdeu a consciência na quarta de manhã. E falava em novos projetos, novos trabalhos, informa Globo.



A Agência de Imprensa Maçônica da Roménia disse em un artigo de hoje que Morreu Oscar Niemeyer, o arquiteto do Brasil moderno. O arquiteto mais famoso do Brasil e um dos maiores arquitetos do mundo moderno, Niemeyer foi um dos pais da arquitetura moderna. Niemeyer participou da construção da atual capital do Brasil, da Cidade Administrativa de Minas Gerais etc.

O senador federal e Irmão Mozarildo Cavalcanti em seu Facebook disse ha um minuto: "Falei agora encaminhando requerimento de suspensão da sessão de hoje do Senado em homenagem a Oscar Niemeyer".


Oscar Ribeiro de Almeida de Niemeyer Soares GCSE • ComIH (Rio de Janeiro, 15 de dezembro de 1907 - Rio de Janeiro, 5 de dezembro de 2012) foi o arquiteto brasileiro de nome mais influente na arquitetura moderna. Foi pioneiro na exploração das possibilidades construtivas e plásticas do concreto armado, e por este motivo teve grande fama nacional e internacional desde a década de 1940. Seus trabalhos mais conhecidos são os edifícios públicos que projetou para a cidade de Brasília, embora possua um grande corpo de trabalho desde sua graduação pela Escola Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro em 1934.

Em 1957, Niemeyer abre um concurso público para o Plano Piloto de Brasília, a nova capital. O projeto vencedor é o apresentado por Lúcio Costa, seu amigo e ex-patrão. Niemeyer, arquiteto escolhido por Juscelino, seria responsável pelos projetos dos edifícios, enquanto Lúcio Costa desenvolveria o plano da cidade. Brasília foi um grande desafio; a cidade foi construída na velocidade de um mandato, e Niemeyer teve de planejar uma série de edifícios em poucos meses para configurá-la. Entre os de maior destaque estão a residência do Presidente (Palácio da Alvorada), o Edifício do Congresso Nacional (Câmara dos Deputados e Senado Federal), a Catedral de Brasília, os prédios dos ministérios, a sede do governo (Palácio do Planalto) além de prédios residenciais e comerciais.

Niemeyer também produziu mobílias de design, levando à madeira prensada as curvas que já aplicava ao concreto. Foi um dos pioneiros no design de móveis no Brasil. Projetou o mobiliário do Palácio da Alvorada, o da Sede do Partido Comunista Francês e alguns móveis em parceria com a filha, na década de 1970. Os móveis de Niemeyer foram expostos em diversos museus brasileiros e salões e feiras internacionais.

Em 2007 foi lançado o documentário sobre vida e obra de Oscar Niemeyer, A vida é um sopro, com direção e roteiro de Fabiano Maciel.


SOBERANO MARCOS JOSÉ E GRÃO-MESTRE BARBOSA NUNES SÃO RECEBIDOS EM SESSÃO DA ASSEMBLEIA FEDERAL


Com a presença praticamente total dos Deputados Federais Goianos, que são coordenados pelo Irmão Lindolfo Canedo Machado, a Assembleia Federal em última sessão do ano de 2012, no sábado, dia 1° de dezembro, demonstrou o grande interesse que tem pelo GOB, com o comparecimento de cerca de 900 legisladores maçônicos.  O Soberano Grão-Mestre Marcos José da Silva e o Grão-Mestre Estadual Barbosa Nunes foram com muito otimismo recebidos pelo Presidente Arnaldo Soter. O Grão-Mestre Geral adentrou ao plenário tendo ao seu lado direito e esquerdo, os Sapientíssimos Irmãos Cláudio Roque Buono Ferreira, Grão-Mestre Geral Adjunto e Dorival Lourenço, Presidente do Supremo Tribunal Federal Maçônico.



Objetivamente o Irmão Marcos José da Silva fez uma síntese de alguns comunicados, agradeceu a Assembleia Federal pelo apoio que tem recebido, desejando um ano de 2012 com muita saude e paz para todos.  O registro fotográfico que mostra a grandeza da sessão, foi do Secretário de Comunicação e Informática do GOEG, Irmão Abel Tolentino de Oliveira Junior.  O Irmão Barbosa Nunes fez questão de solicitar ao Irmão Abel Tolentino, que fizesse o registro fotográfico dele ao lado Grão-Mestre do Grande Oriente de São Paulo, Mário Sérgio Nunes da Costa e do Grão-Mestre Geral Adjunto, Cláudio Roque Buono Ferreira, juntamente com os candidatos Balouk e Mozarildo, num ambiente de cordialidade e de muita responsabilidade.

 O Grão-Mestre Barbosa Nunes entende e prega que os maçons na próxima eleição de 9 de março, devem não só se interessarem por estarem presentes nas urnas, como durante a campanha mostrarem que estão capacitados e equilibrados para um pleito eleitoral melhor do que pleito eleitoral do mundo profano, que nós maçons tanto condenamos.


INAUGURAÇÃO DO CENTRO CULTURAL DO GRANDE ORIENTE DO BRASIL


Na noite de sexta feira, 30 de novembro, o Grão-Mestre do Grande Oriente do Estado de Goiás, Barbosa Nunes, teve o prazer de participar da inauguração do Centro Cultural do Grande Oriente do Brasil, obra marcante, majestosa, ampla e construída em moldes arquitetônicos e de engenharia dos mais modernos, o que estabelece para a administração do Soberano Marcos José da Silva, a simbologia da retidão, cuidado e perfil definido de um excelente e bom administrador.







As mais altas autoridades encontravam-se presentes, conforme o registro detalhado do Assessor Daniel Duarte, entre elas o Soberano Grão-Mestre Marcos José da Silva, Soberano Grão-Mestre Adjunto Cláudio Roque Buono Ferreira, Presidente da Assembleia Federal, Arnaldo Soter, Presidente do Supremo Tribunal, Dorival Lourenço da Cunha e o Presidente do Superior Tribunal Federal, Sérgio Ruas.

Com grande desenvoltura e receptividade à sua pessoa, o Irmão Barbosa Nunes foi abraçado e circulou com muita familiaridade com os Grão-Mestres Estaduais, que muito reconhecem sua pessoa como um maçom dedicado, harmonioso e amigo.

O Assessor Daniel Duarte registrou a presença do Irmão Barbosa Nunes com os Grão Mestres Estaduais Carlos Roberto Correia (Tocantins), José de Jesus Bíllio Mendes (Maranhão), Raimundo Farias (Pará), Wagner Sandoval Barbosa (Santa Catarina), Mário Sérgio Nunes da Costa (São Paulo), Lourival Mariano de Santana (Sergipe), Fernando Nery de Sá (Rio de Janeiro), Aderaldo Pereira de Oliveira (Paraíba), Jorge Colombo Borges (Rio Grande do Sul), Américo Pereira Rocha (Espírito Santo), Aurélio de Aguiar Moita Júnior (Amazonas), José Anízio de Araújo (Ceará), Dalmo Wilson Louzada (Paraná), Daury dos Santos Ximenes (Pernambuco), totalizando 15 Grão-Mestres presentes e os demais estados, por representação oficial.

Inúmeros Irmãos Deputados Federais, Estaduais, Conselheiros, Secretários Federais e Estaduais e pertencentes a Lojas de todo Brasil, cumprimentaram o Irmão Barbosa Nunes, muito conhecido em função de “Maçonaria a Favor da Vida – Contra as Drogas” e pelo seu trabalho no Grande Oriente do Estado de Goiás. 

Com o corte da fita de inauguração, o Soberano Grão-Mestre Marcos José da Silva, homenageando Geraldo Rodrigues dos Santos, que dá nome à Loja em que foi iniciado, prestou homenagem à viúva, Laura, que conduzida pelo Soberano percorreu as magníficas instalações do Centro Cultural. A presença feminina de grande número das cunhadas deu um toque especial às solenidades de inauguração.

O Irmão Barbosa Nunes também teve ao seu lado a cunhada Laura, viúva de Geraldo Rodrigues dos Santos, terceiro Venerável da sua Loja “Acácia Brasiliense”, Oriente de Goiânia, fundada em 1944.

O Soberano Grão-Mestre percorreu todas as instalações, detalhando e esclarecendo todos os pontos internos, descerrando placas que registravam nomes de espaços e da equipe administrativa dos Três Poderes, inclusive do Deputado José Walter Carvalho, Presidente da Comissão da Assembleia Federal, para liberação de recursos em favor da construção. O soberano fez questão de agradecer o apoio e empenho do Deputado Federal e de todos os seus colegas de Assembleia. José Walter Carvalho é representante da Loja “união de Canaã”, Oriente de Goiânia. 

No amplo e confortável Auditório Álvaro Palmeira, totalmente lotado em suas 350 poltronas e muitos de pé, o Soberano Grão-Mestre apresentou aos presentes o que foi a luta para construção do Centro Cultural, sem nenhuma chamada extra e pediu ao Grão-Mestre Barbosa Nunes que falasse em nome dos Grão-Mestres Estaduais. Na sequência e de surpresa o Grão Mestre Mário Sérgio Nunes da Costa, pediu a palavra, leu um documento de consideração especial e reconhecimento ao trabalho do Soberano Grão Mestre e lhe fez a entrega do documento assinado por ele que estava acompanhado de um outro, também firmado pelo Grão-Mestre Adjunto do GOB, Cláudio Roque Buono Ferreira.

O Irmão Barbosa Nunes, que se fez acompanhar na sexta feira, pelo Grão-Mestre Adjunto, Luis Carlos de Castro Coelho e Assessor Daniel Duarte, que fez o registro fotográfico, conclui sua participação na sexta feira, com entrevista a um canal de televisão e jantar no salão de eventos do GOB.

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Unificação do paisagem maçônico francês


Segundo APMR, o Grão-Mestre Marc Henry emitiu um comunicado aos membros da Grande Loja da França onde apresentou a situação das negociações para a "unificação" do paisagem maçônico francês.  Em vista da Grande Loja da França, a união maçônica francesa se pode fazer num torno da existência de uma confederação a nivel nacional.

Os líderes da GLdF tiveram nos últimos meses uma série de reuniões bilaterais com outras organizações maçônicas na França (GLTSO, LNF, GL-AMF e GLIF). Os Grão-Mestres têm discutido sobre o respeito da autonomia das Grandes Lojas, o respeito à independência dos ritos practicados, e praticar uma conduta maçônica que cai dentro da tradição e da regularidade maçônica.


terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Rito Brasileiro, Nacional e Diferente



                                                                                  
 

É enganoso apreciar um rito maçônico reduzindo-o à ritualística dos graus simbólicos. Um rito, para ser efetivamente compreendido, deve ser estudado sob amplos aspectos: origens, história, doutrina, métodos didáticos e, claro, ritualística (mas não apenas ritualística). Havendo altos graus – estes não podem ser desprezados. 
Por exemplo: o Rito Brasileiro de Maçons, Antigos, Livres e Aceitos: distingue-se por certas particularidades doutrinárias, manifestadas nos métodos e meios de estudos próprios que emprega nos altos graus. Nos graus simbólicos segue a tradição maçônica, ortodoxamente, sem diferenças significativas para os ritos constituídos no seio do escocesismo e sofre (como os demais ritos-irmãos) a influência da confusão de rituais (não de ritos). Desse modo, uma apreciação do Rito Brasileiro, limitada aos rituais dos três primeiros graus, estará sujeita ao erro de não encontrar diferenças entre esse rito, formado no Brasil, e seu co-irmão ou tronco, o Rito Escocês Antigo e Aceito, com raízes na França.
O Rito Brasileiro tem por fundamento o Apelo de um Século, segundo nome empregado por Álvaro Palmeira, posto que, formulado em 1834, só seria atendido em 1968, quando o Rito, após a criação em 1914, teria sua implantação vitoriosa. Todos conhecem, mas convém repetir. Naquele ano foram publicados, em português, os quatro pequenos volumes da Biblioteca Maçônica ou Instrução Completa do Franco-Maçom (do maçom Miguel Antônio Dias, pseudônimo, Um Cavaleiro Rosa-Cruz), na realidade rituais do Rito Francês destinados ao Grande Oriente Lusitano, como nos informa Kurt Prober na apresentação do excelente Rituais Maçônicos Brasileiros (Joaquim da Silva Pires – Londrina: Ed. Maçônica A Trolha, 1996, p.19). No prólogo da Biblioteca – apelo especial aos portugueses e brasileiro:
“(…) a fazer um Rito novo independente que, tendo por base os Graus Simbólicos e comuns a todos os ritos, tenha contudo os altos graus misteriosos diferentes e nacionais”.
Eis o fundamento doutrinário: um rito novo e independente, tendo por base os mesmos graus simbólicos comuns a todos os ritos, mas os altos graus diferentes e nacionais, formulando uma didática maçonicamente inovadora que, sem desprezar o valioso instrumental de lendas, ritualísticas e símbolos tradicionais da Maçonaria, adota métodos e meios próprios, proporcionados pelo Século.

Assim a justificativa da existência e da denominação do Rito Brasileiro não se procede pelo exame dos rituais dos graus simbólicos. Efetivamente não existem diferenças formais significativas na ritualísticas dos graus simbólicos. A justificativa se encontra nos altos graus e nas diferenças doutrinárias manifestadas desde os graus simbólicos. O Rito, criado em nossa pátria, tem existência inovadora, sim, constituindo-se em significativa via de progresso à Ordem Maçônica, que não pode ficar vinculada a idéias ou a diretrizes de organizações estrangeiras. Para entender e justificar o Rito Brasileiro, deve se conhecer a didática dos seus altos graus.
Nos graus simbólicos (Aprendiz, Companheiro, Mestre Maçom), o Rito Brasileiro segue, ortodoxamente, a Maçonaria tradicional. Tal postura é necessária à regularidade universal e do Compasso; a fórmula do Suprem Arquiteto do Universo (assim se diz no Rito: Supremo e não apenas Grande); a lenda do terceiro grau; os diálogos estereotipados (Templo coberto, todos os presentes maçons, etc.); acendimento de luzes, transmissão da palavra, etc., e isso, aparentemente, conduz a uma indiferenciação e, sem dúvida alguma (efeito dos tempos em que ritualístico de ritos diversos, assim presentes, em seus rituais, elementos do Rito Escocês Antigo e Aceito, do Rito Adonhiramita e do Rito de York, segundo o Ritual de Emulação.
Contudo, nos altos graus, é um rito novo e independente, por dois princípios: primeiro, conciliar tradição e evolução; segundo, conciliar Razão e Fé.
Nos três primeiros graus, a ortodoxia maçônica (tradição). Além do grau três, método e doutrina próprios (evolução), segundo duas diretrizes: uma, estudar os magnos assuntos de interesse da Pátria e da Humanidade, empregando as ferramentas do Século (Ciência, Filosofia, Arte, Teologia, etc.), diminuindo a influência do tradicional método didático maçônico de lendas, símbolos e alegorias: outra, emprestar, a cada estudo, a cultura local. Se bem observado, só da consideração desse princípio (conciliar tradição e evolução), com suas duas diretrizes (“ferramentas do Século” e cultura local), bem se vê como se distingue o Rito que, inclusive, com as mesmas diretrizes, pode ser adotado universalmente.
Segundo: conciliar Razão e Fé. Sim, no Rito Brasileiro há preocupação em se eliminar excessos de superstição que tantas vezes enredam os ritos maçônicos. O Rito declara-se teísta, o que significa afirmar a existência de Deus e afirmar a Providência e Revelação Divinas. Um maçom que pratica o Rito Brasileiro, se bem compreendeu o método, dedica-se a Deus, por meio da Teologia e da Liturgia, e não da magia ou da superstição. O tema é longo: exige estudo e reflexão.
Enfim, o sistema de 33 graus pode parecer mera cópia afrontosa. Apenas parece, não é. Adotou-se o sistema de 33 graus como continuidade de uma forma – de imenso prestígio no Brasil maçônico do Século XX – fórmula que (no entendimento dos maçons que praticam o Rito) precisa ser atualizada com o Século, mas conserva uma índole e um carisma que não podem ser desprezados. Tantos e tantos comportamentos humanos, anotados pela Sociologia e pela Ciência em geral, procedem pelo mesmo método: adotar o anterior, atualizando-o com a época ou as necessidades. Não há a preocupação de ser original. Preocupa-nos a eficiência.
Assim, irmãos, não tenhamos medo da História. O Rito Brasileiro de Maçons, Antigos, Livres e Aceitos, criando, mas ainda em formação em nossa Pátria, possui um sistema doutrinário fortíssimo, muito bem estruturado, apto à atender às necessidades dos séculos vindouros. Temos o poder das soluções locais, independentemente do que possa ser ditado por órgãos estrangeiros; temos o uso das ferramentas do século e o orgulho de sermos brasileiros, capazes de formular (sem romper com a tradição) doutrina própria. Velha lição francesa, divulgada pelo mestre Álvaro Palmeira: a Maçonaria não tem pátria – o maçom a tem. Os Séculos vindouros dirão.

Fernando de Faria (Rio, Vila Izabel, julho de 1996)


PALÁCIO NASSERI GABRIEL ILUMINADO PELA FRATERNIDADE FEMININA ESTADUAL


A Fraternidade Feminina Estadual, através de comissão composta pela presidente Vera Lúcia Brandão Barbosa, diretoras Liliane Leonor e Neuma Assunção, com apoio do Gerente Administrativo, João Gonçalves Vilela e funcionário Djalma Santos do Vale e auxílio de Ronan Moreira, iluminaram a sede do Palácio Nasseri Gabriel, com luzes natalinas, trazendo aos Irmãos e cunhadas das Lojas, uma motivação e um ambiente espiritual para comemoração do nascimento de Jesus.



Pelos corredores, hall de entrada, salas e mesas árvores de natal, papais noéis, como símbolo união da união que vive nossa potência em Goiás e presença feminina nas atividades, como colunas vivas e alegres da maçonaria goiana.


Mozarildo Cavalcanti para GMG do Grande Oriente do Brasil



Nós da chapa INOVAÇÃO E TRADIÇÃO
(Mozarildo p GMG e Sérgio p GMG Adjunto do GOB)
faremos uma campanha no campo das idéias e não das pessoas,
fraterna, respeitosa em busca da união e da harmonia
para fazermos juntos um GOB mais moderno,
mais atuante, mais justo e mais benéfico
para a família maçônica e para toda a sociedade brasileira.


.

.