REVISTA "MAÇONARIA A FAVOR DA VIDA" 2012

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

REVISTA "MAÇONARIA A FAVOR DA VIDA" 2012


Em Brasília, dia 15 de setembro, no Palácio Jair Assis Ribeiro, em sessão da Assembléia Federal Maçônica, com presenças de mais de 800 deputados federais maçônicos, representando Lojas de todo o país, foi lançada pelo Grão Mestre Geral do Grande Oriente do Brasil, Marcos José da Silva, a revista / pesquisa “Maçonaria A Favor da Vida – Contra as Drogas”.



Cônscio de minha responsabilidade como autor, desde a primeira publicação, fiz as atualizações necessárias na “Edição 2012 – 15 anos de compromisso”, que em afirmativa de primeira página, assim se pronuncia, o primeiro mandatário do Grande Oriente do Brasil:
“Nesta data comemorativa dos 190 anos de fundação do Grande Oriente do Brasil, levamos novamente esta publicação de 15 anos de compromisso, ratificando seu papel, que é de priorizar a prevenção primária, proporcionando conhecimento básico à família, no sentido de chegarmos no jovem antes que a droga chegue”.
Penso que submisso à vontade de Deus, recebi uma missão há 15 anos passados, de levar para a maçonaria uma prática de prevenção ao uso de drogas. Humildemente considero que fui abençoado.
Em uma madrugada, ao final do ano de 1996, acompanhando o Grão Mestre do Grande Oriente do Estado de Goiás, José Ricardo Roquette, em deslocamento para a Loja “Aurora de Caiapônia”, a nós veio a inspiração e ele, determinado disse: “Conte com meu apoio e vamos instituir um trabalho preventivo”. Foi o despertar.
Busquei capacitação sobre o assunto, frequentando cursos no Grupo Amor Exigente, Escola sem Drogas, “AA”, Universidade Católica de Goiás e me aproximei de seres humanos competentes no assunto, como Jamil Issy, Maria Sônia França, Fausto Rodrigues do Valle, Benedito Roque da Silveira Campos, pastor Roberto Alves e muitos outros.
Em outubro de 1997, com representantes multiplicadores de cada Loja Maçônica de Goiás, foi plantada a semente, que persiste e resiste. Posteriormente foi nacionalizada pelo Grande Oriente do Brasil, por pleito de José Ricardo Roquette junto ao Grão Mestre Geral, já falecido, Francisco Murilo Pinto, quando se tornou, por ato nacional maçônico, “obrigatória participação dos maçons na campanha, interpretando-se a omissão voluntária como indiferença para com os postulados de solidariedade humana esposados e recomendados pela Ordem Maçônica”.
Hoje é “Marca de Credibilidade da Maçonaria Brasileira”. Instituição que se mobilizou em favor da vida, ao colocar como tema permanente, a complexa e dramática questão das drogas, que se alastra amparada por um estilo de vida materialista, a partir do cultivo, comercialização e consumo. Afeta profundamente famílias e seus filhos, fazendo crescer o desajuste familiar, a violência, os assaltos, roubos, prostituição, corrupção com exércitos bem armados e regiões dominadas pelos traficantes.
Na expedição de uma revista / pesquisa, em 56 páginas, o trabalho foi norteado para a prevenção primária, publicação que submetida ao Conselho Estadual de Entorpecentes do Estado de Goiás, recebeu do relator, farmacêutico, toxicologista e professor universitário, Jamil Issy, falecido e insubstituível, a seguinte manifestação no respectivo processo apresentado ao órgão especializado:
“Posso afirmar tratar-se de um trabalho que completa os vários aspectos que envolvem o problema das drogas, com ênfase muito especial, e bem aportada, da Prevenção Primária, por isso mesmo, muito meritória.
Observa-se que o autor da pesquisa, Barbosa Nunes, teve cuidado de estudar com seriedade e competência, vários autores de escol e reproduzir com lealdade seus ensinamentos e, ao mesmo tempo, emitir conceitos e advertência de muita utilidade a quem a compulsa.”
Jamil Issy, posteriormente tornou-se maçom e diretor técnico do “Programa Maçonaria a Favor da Vida”, ministrando centenas de palestras em todo o Brasil, dando conhecimento do seu livro, “DROGAS Causas – Efeitos – Prevenção”, obra completa e com várias reedições.
A definição pela Prevenção Primária foi por entender que este é o melhor combate ao uso de drogas, significando impedir, dispor com antecipação. Tudo aquilo que pode ser feito ou empreendido antes que a droga chegue. A ação é educativa, humana e cristã, com efeito fundamental desde os primeiros dias de vida, até antes do nascimento.
É muito importante chamar a família, o adulto e colocá-lo no centro da discussão, mostrando que o jovem não é causa e sim vítima de um mundo, de um meio social, de um ambiente em que o adulto cultua a droga. Se o adulto não mudar este modelo de vida que oferece, o adolescente terá dificuldades em não cair na sedução do uso.
Pais e educadores só podem desestimular o uso de drogas através do exemplo, da coerência, da alegria e viver e usufruindo as coisas boas da vida, mostrando que é possível resistir desconfortos, dores ou distúrbios emocionais sem usar drogas para fugir à realidade.
A clientela principal do “Programa Maçonaria a Favor da Vida” é o adulto, na figura de pais, professores e líderes comunitários. Devem ser vistos como pontos de referências positivas e ficarem muito atentos para o afirmativo e forte pensamento, “não há pior coisa do que um bom conselho, seguido de um mau exemplo”.
A revista que tenho o prazer de disponibilizar aos amigos que me distinguem com suas qualificadas leituras, a quem remeterei, desde que me enviem o endereço com o CEP, traz os seguintes capítulos: I - “O uso de drogas: um entendimento inicial e como funciona a dependência”, II – “O relacionamento familiar”, III – “O ambiente social e o uso de drogas”, IV – “A comunidade e as drogas – família e escola”, V - “As principais drogas: histórico, efeitos e consequências do seu uso”, VI – “Perguntas e respostas”, VII – “Drogas e AIDS” e VIII – “Como evitar o problema”.
Em mim ficou a certeza de que pela Edição 2012, houve mais interesse e manifestos pessoais, pelo que muito agradeço aos mais de 800 maçons de todo o país presentes em Brasília.
Você gosto?

.

.